05/04/2011

Cap 11 - Zaqueu - Parte 3

A FIGUEIRA BRAVA


“E, CORRENDO ADIANTE, SUBIU A UMA FIGUEIRA BRAVA PARA O VER; PORQUE HAVIA DE PASSAR POR ALI.” LUCAS 19:4


A figueira é um dos símbolos que personifica a nossa individualidade (e comentamos acerca dela no capítulo A Multiplicação dos Pães, tópico As Três Árvores). Ela apresenta sentido de justiça, ao passo que a oliveira, vinculada à produção da luz, indica o plano metabólico e de clareamento dos corações, e a videira, como manifestação máxima do amor, completa o processo de ascensão nosso.

Zaqueu não subiu em uma figueira qualquer, ele subiu em uma figueira brava, e esse adjetivo tem uma importante representação. O adjetivo brava define que a figueira é de má qualidade, de pouca expressão produtiva. Ela produz frutos, mas frutos ruins, que deixam a desejar, chegam a desagradar. Então, a gente nota que ela é uma árvore rejeitada, indesejada, em razão da sua ineficiência.

E onde está a figueira hoje? Com certeza muito mais perto do que a gente pensa.

Ela se expressa hoje nas pessoas, situações e coisas que nos alcançam de forma imperiosa, contundente e menos feliz. Manifesta-se de forma inconveniente e desagradável em nossa vida. É a dificuldade fora da gente, a complicação à nossa volta, dentro de casa, no serviço, que nos incomoda e proporciona insatisfação, consideradas alienadas e até mesmo desprezadas no contexto a que estamos inseridos.

A figueira brava é uma expressão de reflexo. Reflete a nossa chaga interior que nós não estamos enxergando. Ela é a conexão nossa com o passado, hoje, que apresenta uma série de pontos de contato capazes de emergir situações difíceis especialmente na família. Sim, muitas vezes essas dificuldades maiores são aqueles seres cujos destinos estão vinculados ao nosso de forma menos feliz.

A figueira brava decorre da necessidade íntima nossa, porque ela significa o reflexo de uma ação pretérita. O parente complicado ou em desequilíbrio, o chefe intransigente do qual não conseguimos nos desvencilhar, e por aí adiante.

Não existe efeito sem causa e essas criaturas em desajuste junto de nós de algum modo são efeitos do ontem, ou do hoje, na nossa intimidade. Os problemas são os desconectores, eles nos chegam para resolver a questão, trabalham a desconexão das amarras que nos prendem ao passado. E muitas das representações dessa figueira acontecem na atualidade dentro do ambiente doméstico, a partir de um intermediário que reflete a necessidade de alguém, especialmente pela instauração de um problema além do previsto pelo contingente familiar.

O parente complicado que você julga carregar nas costas, por espírito de heroísmo, via de regra, é a mesma criatura que, em outra época, arrojaste ao desespero e à perturbação. Evidente que a gente não lembra por passarmos por um período de esquecimento mnemônico enquanto na presente encarnação.

É indicativo para não nos descuidarmos das situações que existem dentro do lar para aquecermos, de pronto, o próximo que está um pouco além do nosso lar. Porque nossa evolução está começando com aqueles que a misericórdia do Pai colocou mais próximos, dentro de casa. Vamos nos tranquilizar, a pedra em casa não é pedra, é degrau. Sem contar que a paciência nos ajuda. Nós achamos que estamos na dificuldade porque somos vítimas, no entanto, deixemos de ser pretensiosos, tem muita gente na vida que também custa a nos aguentar.

Ocorre que enquanto Zaqueu subiu na figueira brava, e a usou para ver Jesus, nós a desprezamos e queremos tirá-la do nosso caminho.

Isso é comum. Assim temos o hábito de fazer, o que nos desagrada enormemente a gente quer excluir da nossa vida. Porém, é muito importante entendermos que essa figueira é a dificuldade que a gente quer tirar fora, mas muitas vezes ela representa o instrumento da nossa redenção, é aquele componente educativo que se o tirarmos fora na maioria dos casos podemos voltar com ele.

Agora imagine que se subir em uma figueira já exige certo esforço, em uma figueira brava o esforço é ainda maior. E embora pareça estranho um chefe dos publicanos subir em uma árvore em plena via pública, vamos notar que quanto mais complicada é a situação de alguém, maior também o lance que ele faz quando de sua mudança, maior o testemunho que realiza quando se propõe.

A preocupação íntima não deve ser com a nossa reação, mas com a ação, evitar reagir ao mal e, sim, melhorar a ação no seu aspecto essencialmente positivo.

Não devemos tanto nos preocupar em ficarmos livres, em afastarmos quem quer que seja do nosso caminho. Pelo contrário, o que devemos fazer é criar condições para termos a companhia daqueles a quem gostamos. A seu tempo vamos observando que a substituição vai sendo feita, às vezes, até mesmo sem a saída daquele elemento que nos é desagradável, porém, com a permanência dele em uma expressão nova de vida. Anote isso, no momento em que aprendermos a estar bem as pessoas que nos incomodam acabam passando, e enquanto tivermos que conviver com elas é sinal claro de que estamos, ainda, precisando desse contato.

E para superar a pequena estatura e ver Jesus Zaqueu subiu a uma figueira. Isso nos ensina que para esse encontro ele precisou elevar-se acima do nível do chão, necessitou elevar-se acima dos seus padrões. Logo, nós não temos como visualizar o Cristo, e nem ser vistos por ele, sem nos erguermos acima do terreno em que estamos sedimentados.

O evangelho é lindo e claro, subir na figueira é utilizar o obstáculo, a dificuldade, como instrumento de reerguimento e elevação. Por isso, meu amigo, minha amiga, não se desespere nem se amedronte diante da figueira em tempo algum. O que parece pedra em nosso caminho não é pedra, é degrau.

Figueira brava é componente de elevação, instrumento para crescer, mecanismo de projeção, indica o que a gente precisa para elevar-se, e pelo qual a gente vê Jesus. E vamos subi-la pela nossa tranquilidade, paciência, pela segurança, discernimento, pelo trabalho produtivo, pela capacidade nossa de orar.

Um comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...